Publicado originalmente em EXAME.com. Foto: GIBI/Divulgação.

São Paulo – Muitas pessoas sonham em abrir o próprio bar. Mas como fazer com que seu negócio chame mais atenção do que a concorrência? No ramo da alimentação fora de casa, por exemplo, são mais de um milhão de estabelecimentos espalhados pelo país, segundo a Abrasel (Associação Brasileira de Bares e Restaurantes).

Para Alessandro Saade, professor do Master em Empreendedorismo & Novos Negócios da Business School São Paulo (BSP), o setor de bares sempre está aquecido. Mas e a crise? “Nesse contexto, tem um pessoal animado e outro desanimado. O desanimado é aquele que está tentando fazer o que sempre fez, com as mesmas promoções e estratégias. Já o animado é aquele que oferece algum tipo de engajamento. Se você tem esse vínculo com o cliente, seu mercado está sempre bom”, diz o professor.

De acordo com Saade, é importante para toda empresa ter um propósito para se destacar. “Esse é o grande segredo da longevidade. Se você está montando o bar só pra ganhar dinheiro, provavelmente ele não vai durar. Se você quer que as pessoas se divirtam e tenham bons momentos, ele ficará por muito tempo. Faça com que as pessoas sintam vontade de voltar – e há muitas maneiras de fazer isso”.

Como exemplos de bares que investem em produtos ou serviços diferentes, entrevistamos Lucy Raposo, sócia do bar e luderia Ludus; Tiago Almeida, fundador do bar de cultura geek GIBI; e Verónica Goyzueta, sócia do Tubaína Bar, especializado na bebida. Veja as dicas que eles deram para quem quer ter um negócio de sucesso no ramo:

1. Coloque alguma paixão sua no negócio

“Entrei no GIBI pensando que gastava mais tempo no trabalho do que com meus hobbies, e então levei o hobby para meu negócio”, conta Almeida. “Não adianta simplesmente abrir porque é uma oportunidade e porque tem um ponto bom. Se você não gostar, irá acordar insatisfeito todo dia”, diz o empreendedor. “É preciso ter um diferencial até para captar os sócios. Se não houvesse uma ideia diferente, eles nem queriam colocar dinheiro em um bar”.

Verónica também incorporou uma paixão sua na hora de montar o Tubaína Bar. “Quando pesquisamos e vimos que não tinha nada parecido, ficamos muito felizes. Acho que o bar foi interessante porque resgatou a imagem das tubaínas e tirou essa ideia de que é algo de baixa qualidade, o que não é”, diz. “A gente sempre pensou em não fazer uma coisa que tem em todo bar”.

Lucy conta que, na adolescência, sempre costumava jogar com tabuleiros na companhia de um amigo. “Fomos crescendo e comecei a importar os produtos, chamando uma galera maior. Até que, um dia, a gente resolveu abrir o bar”, relata a empreendedora.

2. Tenha um menu inovador

O Tubaína possui mais 30 rótulos de refrigerante no cardápio. Mas Verónica conta que tenta inovar também na comida. “Se a gente prepara uma pamonha, por exemplo, a gente faz pamonha frita. Se a gente faz um estrogonofe, faz um com carne de sol. Temos também coxinha de feijão e um cardápio para veganos e vegetarianos”.

No GIBI, quando há algum filme, jogo ou série do momento, o bar desenvolve drinks temáticos sobre o assunto. “Os ingredientes ou o visual da bebida têm a ver com personagens. As pessoas ficam tentando descobrir as referências”, conta Almeida.

3. Ofereça um serviço diferenciado

No caso do Ludus, o bar tem como diferencial e foco os jogos de tabuleiro. “Hoje, nós temos mais de 900 títulos, além de monitores para os jogos. Isso você não consegue do dia para a noite”, afirma. Com o valor da entrada, o cliente pode jogar quantos jogos quiser pelo tempo em que permanecer na casa.

“Fazemos bastantes eventos temáticos no GIBI. Recentemente, fizemos uma semana inteira de Star Wars, com trilhas do filme na jukebox e colocando os filmes para passar”, conta Almeida.

4. Invista em um ambiente especial

Para atrair consumidores, empreendedores precisam investir na decoração. “Dentro do bar, há algumas coisas inusitadas. Tem um tapete no teto, por exemplo. São coisas que chamam os clientes. O bar tem um ar de casa, de interior, e isso que faz com que as pessoas tenham vontade de ir”, explica Verónica.

A decoração do GIBI começou com os bonecos que o próprio Almeida colecionava. “Depois, fui procurando tudo que é tecnologia que poderia implementar, como uma jukebox virtual, que dá para escolher a música que vai tocar pelo celular. A gente também tem outras peças interativas, como luminárias em que você bate embaixo, como no jogo do Mario [personagem da Nintendo]. Os clientes fotografam muito o ambiente e vira algo meio viral”, conta.

5. Lembre seus clientes de que seu negócio existe

Não basta apenas ter um lugar com comida, decoração e serviços inovadores: é preciso sempre investir em divulgação. Lucy afirma que a divulgação da Ludus começou no boca-a-boca e esse é o forte do bar, mas que, hoje, usa as redes sociais como um complemento dessa estratégia.

Já Verónica afirma que investe em novas ações o tempo inteiro. “Estamos sempre fazendo uma estratégia de marketing para que as pessoas tenham vontade de vir, criando eventos, fazendo com que as pessoas lembrem que ele está aberto”.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s